Framework Scrum | Metodologia ágil na Junto

Você sabia que aqui na Junto Seguros nós utilizamos o framework Scrum para os nossos desenvolvimentos de software? Hoje vamos lançar uma modalidade nova de posts no nosso blog, contando um pouquinho sobre a cultura da Junto.

Para esse primeiro post, convidamos a nossa Scrum Master, Fernanda Bianchini para nos dar uma aula sobre a metodologia ágil que utilizamos aqui.

Mas afinal de contas o que é o Scrum?

O framework Scrum é uma metodologia ágil, usada para gerenciar o desenvolvimento de produtos complexos. Seu objetivo é focar em gerar valor por meio de pequenas entregas, contínuas e rápidas através de ciclos denominados Sprints.

O framework Scrum baseia-se na teoria empírica de controle de processos, e é sustentado por três pilares: transparência, inspeção e adaptação.

A transparência diz que todos os aspectos do processo devem ter um padrão e ser visíveis, para que todos os participantes ​​possam entender o projeto e os processos num todo.

A inspeção serve para detectar variações indesejadas e assim avançar em direção a meta da Sprint.

Já a adaptação é importante para ajustar de modo mais rápido possível qualquer fator que esteja fora dos limites aceitáveis.

Como surgiu?

O primeiro time de Scrum foi criado por Jeff Sutherland, em 1993. Ele aplicou Scrum no projeto mais crítico da Easel Corporation, organização na qual ele trabalhava e os resultados obtidos foram excepcionais.

Em 1995, Jeff apresentou o primeiro Time de Scrum a Ken Schwaber, eles trabalharam juntos para criar uma definição formal de Scrum, apresentada por Ken no OOPSLA de 1995, um congresso de Orientação a Objetos.

Valores do Scrum

Os valores do framework Scrum fundamentam-se em:  coragem, foco, comprometimento, respeito e abertura.

Coragem: O Time Scrum precisa ter coragem para fazer a coisa certa e trabalhar em problemas difíceis.

Foco: O Time Scrum trabalha focado em metas claras e realizáveis que se comprometeram na Sprint.

Comprometimento: As pessoas se comprometem pessoalmente em alcançar os objetivos do Time Scrum.

Respeito: Os membros do Time Scrum respeitam uns aos outros para serem pessoas capazes e independentes.

Abertura: Time Scrum e seus stakeholders concordam em estarem abertos a todo trabalho e aos desafios com a execução do trabalho.

Quando os valores são incorporados e vividos pelo Time Scrum, os pilares ganham vida e constroem confiança para todos.

Sprints

O  frameowork Scrum tem como peça fundamental o Sprint, que nada mais é do que ciclos desenvolvimentos com um tempo definido.

Esses ciclos são contínuos, sendo assim, um novo Sprint começa imediatamente após a conclusão do Sprint anterior. Como as entregas são incrementais o final de um sprint traz consigo um sentimento de progresso tangível em cada ciclo que concentra e energiza a todos.

Cada Sprint tem um formato estabelecido composto por:

Sprint Planning: cerimônia na qual se realiza o planejamento do trabalho a ser executado no Sprint.

Daily Meeting: é uma reunião diária com duração de 15 minutos, cujo objetivo é sincronizar o time para que possam avaliar o progresso diário e inspecionar e adaptar.

Sprint Review: acontece sempre ao final da Sprint e tem o propósito de demonstrar ao Product Owner tudo que foi desenvolvido durante a Sprint.

Sprint Retrospective: é uma oportunidade para Time Scrum se inspecionar e criar um plano para melhorias a serem implementadas durante a próxima Sprint, também ocorre ao final de cada sprint.

Backlog Refinement:  usado para manutenção e refinamento do Product Backlog.

Divisões do Scrum

O Scrum possui apenas 3 papéis:

Product Owner: é o visionário que nos guia para construir a “coisa certa”. Ele tem uma visão clara para o produto e tem autonomia para tomar decisões sobre ele. Define as funcionalidades para as reuniões, assim como refina e prioriza os itens de desenvolvimento. Ele também coordena o envolvimento de usuários e partes interessadas do negócio e garante e maximiza o ROI (retorno sobre o investimento).

Scrum Master: é um líder servidor e facilitador. Toma conta do processo e garante que exista uma melhoria contínua. Remove impedimentos, desde barreiras culturais, burocráticas até desafios logísticos. Garante que o time de desenvolvimento estará focado na sprint, promovendo auto-organização do time.

The Development Team:  ou time de desenvolvimentos. Define as metas dos Sprints junto com o Product Owner. Fornece as estimativas de esforço e decide o que conseguem completar dentro de uma Sprint, baseado na priorização de negócio. Tem o direito de decisão em como desenvolver o projeto, dentro dos limites e diretrizes para atingir o objetivo da Sprint. Gera valor para o cliente construindo o produto com qualidade e responsabilidade.

Como a Junto se adaptou ao home office?

Em virtude da pandemia pelo novo coronavírus, a Junto priorizou o isolamento social e a adaptação ao modelo home-office. Com isso, nós adaptamos todas as nossas cerimônias e ferramentas para o modo digital.

As nossas cerimônias são realizadas através de plataformas de vídeo chamada. Conseguimos manter todas as características, utilizamos quadros virtuais onde todos podem colaborar.

Como é aí na sua empresa? Ficou com alguma dúvida sobre esse modelo de trabalho? Conta pra gente!

Compartilhe:
Escrito por:
Juntos Seguros
Publicado em:
14/07/2020
Referência em Seguro Garantia no Brasil. Mais de 25 anos de Experiência e com mais de 1 Milhão de Apólices Emitidas. Faça uma Cotação Online!

Artigos relacionados

31/01/2023

Licitação Petrobras: como participar?

Deseja se tornar um fornecedor da Petrobras? Tire suas dúvidas e saiba como participar das licitações na Petrobras. A (...)
Ler mais
23/01/2023

Tudo sobre licitações de prefeituras em 2023

Confira tudo que sua empresa precisa saber para participar de licitações de prefeituras em 2023. Se você está procurando (...)
Ler mais
04/01/2023

Licitações Banco do Brasil: como participar? 

Quer saber como participar da plataforma de licitações do Banco do Brasil? Entenda como a Licitações-e funciona Quando um (...)
Ler mais
Banner

Perguntas
frequentes

Perguntas frequentes

Em poucas palavras, o seguro garantia é uma forma de garantir o cumprimento de obrigações estabelecidas entre duas partes.

Por exemplo, quando uma empresa contrata outra para a realização de um serviço, pode solicitar a apresentação de uma garantia sobre o cumprimento do contrato. Dessa forma, o seguro garantia é uma ferramenta que aumenta a confiança e viabiliza a realização de negócios.

Empresas de todos os tamanhos utilizam o seguro garantia para assinar contratos e também garantir  processos judiciais. Nas ações judiciais, inclusive trabalhistas, o seguro garantia pode substituir o valor do depósito em juízo, viabilizando que a empresa que ofereceu a garantia recorra de uma decisão judicial sem imobilizar dinheiro de seu caixa.

O uso do seguro garantia é legalmente reconhecido e é regulamentado pela Superintendência de Seguros Privados, a SUSEP, por intermédio da Circular nº 477/2013.

Diferente de um seguro tradicional, como de automóvel, o seguro garantia é um facilitador de negócios e se assemelha mais a uma fiança do que uma proteção.

Quando uma pessoa contrata um seguro de automóvel, ela paga o valor determinado pela seguradora para a proteção de seu veículo. Em um eventual sinistro (colisão, roubo, etc.), a seguradora é responsável pelos prejuízos comprovados ao veículo, em uma relação que envolve duas partes: seguradora e segurado.

O seguro garantia surgiu para ajudar instituições públicas e privadas que desejam segurança ao contratar outras empresas que irão construir, fabricar, fornecer ou prestar serviços. Além disso, o seguro garantia também é uma das opções de garantia aceita para qualificar empresas em processos licitatórios.

No caso do seguro garantia, uma empresa contrata a apólice de seguro quando dela é exigida uma garantia para firmar um contrato ou para que ela possa recorrer em uma ação na justiça, por exemplo. Por isso, o Seguro Garantia é diferente nos seguintes aspectos:

  • Objetivo: garantir contrato, ação judicial e etc (e não para proteção patrimonial ou de vida, por exemplo)
  • Constituição: é contratada por uma empresa para proteção de outra;
  • Pagamento do prêmio: quem contrata o seguro e paga por ele o prêmio é a empresa obrigada a oferecer a garantia;
  • Indenização: quem recebe a indenização é a empresa que exigiu a prestação da garantia ou o juízo, não quem contratou.

Dessa forma, no seguro garantia funciona em uma relação tríade:

Juntos Seguros

Existem dezenas de aplicações para o seguro garantia, em empresas de todos os ramos e tamanhos. Vamos falar sobre os principais usos: 

  • Quando uma empresa deseja participar de uma licitação e o órgão público ou empresa exige uma garantia exclusiva para a entrada na concorrência, como forma de demonstrar sua qualificação econômico-financeira e, assim, garantir a manutenção da proposta apresentada; 
  • Quando uma empresa venceu uma licitação e precisa apresentar uma garantia para assinar e realizar o contrato, seja ele de construção, prestação de serviço ou fornecimento de bem ou material; 
  • Quando uma empresa irá assinar contrato com outra e, para conclusão do negócio, é exigida a apresentação de uma garantia; 
  • Quando uma empresa deseja recorrer de uma decisão judicial trabalhista na fase de recurso e precisa apresentar um depósito em juízo para dar sequência em sua defesa; 
  • Quando uma empresa foi condenada em ação judicial e, na fase de execução dodo processo, deseja recorrer do valor da decisão e precisa apresentar uma garantia; 
  • Quando uma empresa necessita de uma tutela provisória ou de urgência e o juízo exige garantia para que a tutela seja concedida; 
  • Quando uma empresa necessita garantir um adiantamento de pagamento para dar início a execução de um contrato; 

O seguro garantia pode ser utilizado para viabilizar várias outras atividades em sua empresa. Caso tenha uma demanda e precise de garantia, escreva para [email protected] e solicite uma cotação.

Antes de falar sobre quem deve fazer a contratação, é preciso entender alguns conceitos do seguro garantia. 

Tradicionalmente, quem exige a garantia ao firmar um contrato é a empresa ou órgão público responsável pela licitação ou que contratou a obra, prestação de serviço ou fornecimento de material. Chamamos essa empresa ou órgão público de segurado, já que este receberá eventual indenização securitária. 

Do outro lado, quem contrata e apresenta o seguro garantia é o que chamamos de tomador: empresa que foi contratada para realizar a obra, fornecimento de material ou prestação de serviço. O tomador também é a empresa que contrata o seguro garantia para garantir um recurso judicial ou para participar de uma licitação aberta pelo segurado.

Tire suas outras dúvidas